Diferença entre analogia e homologia na evolução

Artículo revisado y aprobado por nuestro equipo editorial, siguiendo los criterios de redacción y edición de YuBrain.

A evolução é uma teoria que, com base em uma grande quantidade de evidências, afirma que a Terra e a vida nela mudaram . Consequentemente, no planeta existem organismos desenvolvidos a partir de outros, que conseguiram responder favoravelmente às condições ambientais.

Entre as evidências da evolução estão aquelas oferecidas pela anatomia comparada, disciplina que estuda as semelhanças e diferenças entre os organismos, por meio da análise, por exemplo, de estruturas homólogas e análogas.

estruturas homólogas

Estruturas homólogas são aquelas que compartilham a mesma origem evolutiva, mas possuem funções diferentes. É o caso dos dedos dos anfíbios, répteis e mamíferos tetrápodes (isto é, quadrúpedes). Nesses animais, mesmo sendo de classes diferentes, cinco dedos estão presentes na fase embrionária. Esses dedos, que podem mudar em número e forma na vida adulta, têm funções diferentes e se desenvolvem em ambientes muito diferentes.

Outro caso de homologia é o das extremidades entre mamíferos de diferentes tipos: asas de morcego, barbatanas de golfinhos e braços humanos, para citar alguns exemplos, apresentam os mesmos ossos localizados em posições semelhantes, seguindo o mesmo padrão.

Tanto os dedos dos tetrápodes quanto as extremidades dos referidos mamíferos são homólogos, pois demonstram a presença de estruturas semelhantes em diferentes espécies que não se justifica do ponto de vista funcional. Segundo a teoria da evolução, o exposto acima evidencia a origem comum desses animais a partir de um ancestral que tinha cinco dedos ou que exibia a mesma estrutura óssea.

A hipótese do ancestral comum pode ser explicada por meio de um mecanismo chamado evolução divergente . Ocorre quando uma população se separa da original e é submetida a diferentes condições, razão pela qual desenvolve características particulares para sua sobrevivência. Migração, competição e mutações de DNA podem contribuir para a evolução divergente das espécies.

estruturas análogas

Estruturas análogas são aquelas que possuem funções semelhantes e ocorrem em espécies diferentes que não possuem um ancestral comum que também as possui. Por exemplo, morcegos, pássaros e insetos voadores têm asas que cumprem a mesma função, mas esses animais não têm um ancestral alado comum. Os morcegos são mamíferos e não estão relacionados a pássaros ou insetos voadores. Na verdade, as aves estão mais relacionadas aos dinossauros do que aos insetos ou mamíferos. Embora morcegos, pássaros e insetos voadores tenham se adaptado desenvolvendo asas, eles não indicam uma relação evolutiva próxima.

As analogias também são conhecidas como homoplasias , que podem ocorrer devido a mecanismos de convergência, paralelismo e reversões.

  • As analogias de convergência ocorrem quando espécies diferentes têm semelhanças que surgem de ancestrais diferentes e distantes. Nesses casos, características semelhantes evoluem em espécies não relacionadas, apesar de serem encontradas em ambientes diversos, mas com pressões de seleção semelhantes. Um exemplo de analogia de convergência é o dos hiraxes e das marmotas, animais muito semelhantes na aparência e com dentes incisivos pronunciados. No entanto, os hyraxes são os parentes vivos mais próximos dos elefantes e não estão evolutivamente relacionados às marmotas.
  • marmota
  • Damão

  • As analogias paralelas ocorrem quando as semelhanças surgem de maneiras separadas em espécies com o mesmo ancestral. Por exemplo, os gambás do Brasil e os coalas da Austrália têm um ancestral comum. No entanto, suas semelhanças, como a presença de uma “bolsa” chamada marsúpio na qual os filhotes se desenvolvem, foram adquiridas separadamente e em decorrência de características ambientais.
  • Gambá Brasil
  • coala austrália

  • Analogias de reversão ocorrem quando recursos que desapareceram reaparecem. Por exemplo, em algumas espécies de rãs, indivíduos desenvolvem dentes na mandíbula inferior, uma característica que era comum em ancestrais de rãs, mas não em rãs modernas.

Em resumo, se as estruturas de indivíduos aparentados forem comparadas, muitas semelhanças serão observadas. Quando os organismos que os possuem vêm de um ancestral comum, são chamados de estruturas homólogas; Quando os organismos que não compartilham um ancestral comum têm estruturas semelhantes que servem a funções semelhantes, eles são conhecidos como estruturas análogas.

Fontes

Curtis, H., Barnes, N.S., Schnek, A., Massarini, A. Biology . 7ª edição. Editorial Médica Panamericana., Buenos Aires, 2013.

-Anúncio-

mm
Maria de los Ángeles Gamba (B.S.)
(Licenciada en Ciencias) - AUTORA. Editora y divulgadora científica. Coordinadora editorial (papel y digital).

Artículos relacionados